quarta-feira, 1 de março de 2017

SEMEADORES URBANOS


Segundo estatísticas, somos mais de 7.300.000.000(sete bilhões e trezentos milhões) de seres humanos, fora os não contatados. Crescemos aos milhares diariamente.
Como gerar alimentos suficientes, para sustentar tal número de pessoas?
As pastagens, ocupam cada vez mais o campo, dando a falsa impressão, de que esta é uma solução para todos, e não uma solução econômica para alguns.
A monocultura, ampliada pelo agronegócio, também faz crer ser um bom negócio para todos, quando na verdade, é um bom negócio para poucos, muito poucos.
Fabricas de produtos alimentícios, produzem cada vez em maior quantidade, usando cada vez mais a química, na conservação e produção. Gerando um número incalculável de antigas e novas doenças.
A distribuição e comercialização centralizada em poucas mãos, produz verdadeiros cartéis, que dominam a comercialização e ditam os preços, tornando-os extremamente caros.
Existem milhões de pessoas, fora deste mercado, sofrendo toda sorte de privações. Número cuja tendência é aumentar.
Percebe-se com mais facilidade nas grandes cidades. Quase não há, áreas que não estejam impermeabilizadas por camadas de asfalto ou concreto, escondendo a terra sob ela.
O que fazer para impedir? 
Com certeza existem soluções. Algumas dependem de nós. Na mudança de costumes e na criação de outros.
Vamos a feiras, mercados, supermercados, comprar frutas, hortaliças e cereais.
Ao consumirmos estes produtos, descartamos, como fosse lixo, sementes de mamões, abacates, goiabas, melões, melancias, limões, caquis, ameixas, pimentões, tomates, pimentas, etc.
Se mudarmos, este costume: Ao invés de jogarmos no lixo, colocássemos em papéis, jornais, etc. Não em plásticos, ou outro material não degradável. E jogássemos em qualquer terreno possível, como as marginais de rios, córregos, represas, praças, parques, etc.
Imaginem se nossos avós, tivessem feito isto?
Hoje, andaríamos por ruas e avenidas, praças, vielas e travessas, por baixo de mangueiras, goiabeiras, mamoeiros, abacateiros, amoreiras, limoeiros, laranjeiras, caquizeiros, ameixeiras, e uma infinidade de outras frutas e hortaliças.


E com certeza, a fome diminuiria muito.

ivan de souza machado.