quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

NATAL EM FAMILIA.

Na ponta sentou meu pai; na outra minha mãe.

Ao lado de meu pai, meu irmão. Ao lado de minha mãe, eu.

Entre meu irmão e meu pai; meus tios e tias. Entre minha mãe e eu; meus primos e primas.

Mesa posta, carnes assadas, frangos, peru, leitão, cuscuz, risoto, ravióli, saladas, vinho, cerveja, refrigerantes e champanhe. Típica mesa de famiglia italiana.

 Mamãe levanta e serve papai. Titias servem titios.  Nós, de resto nos servimos. Alguém lembra que nos esquecemos da prece. Paramos de comer, beber e rezamos. De pronto voltamos a comer e beber.

Piadas, risos, estórias, histórias, beliscões nas pernas de minhas primas; uma olhada severa de minha mãe e uma advertência, pois, ela viu.

Terminada a ceia, trazem a sobremesa:- “Pudim de leite condensado”. Após, as mulheres tiram a mesa.

Os homens aprontam a mesa para o jogo de tômbolas. Onde passaram a noite. As crianças esperam afoitas a hora de dormir, assistindo a vida de Cristo pela TV.

Fomos dormir. Um sono intranqüilo a esperar Papai Noel.

Pela manhã corremos escada abaixo, ajoelhamos em frente à árvore e vasculhamos a procura de nossos presentes.

Quanta alegria por ganharmos, quanta tristeza por não ser aquilo que pedimos a Papai Noel. Só nós sabíamos o que era. Pegamos nossos brinquedos e saímos para a rua brincar, comparar e fazer inveja ou invejar os dos outros.
Ganhei um trenzinho elétrico, que logo descobri ser impossível na areia com ele brincar:- "Não tinha tomada lá fora". Meu irmão ganhou uma bicicleta, os demais carrinhos, bolas, bonecas. Todos podiam na areia brincar, menos eu.

Não tive duvidas. Troquei meu trenzinho, por um carrinho de plástico, bem inferior ao meu trem, mas muito mais divertido. Isto é o que me importava. Mas não o meu pai, que dizia ser um bem mais caro e valioso, o que não entendia, pois, fora Papai Noel quem me dera.

Ele nunca entendeu por que chorei quando de volta fui buscar o trem, nem por que meu amigo contente ficou com a troca.

Lembrar disto hoje, faz-me sorrir. Lembrar de meu pai, de minha mãe, meus irmãos, parentes e amigos. Lembrar que tive um bom lar. Ótima família, que éramos todos unidos, alegres e felizes.

Pode ser piegas, mas me faz muito bem.  Que tenham boas lembranças, vocês também.

E para sempre um ótimo natal.

3 comentários:

  1. Adorei!!!!

    Tenha um ótimo natal... SEMPRE!

    BEijos

    ResponderExcluir
  2. A todos um feliz natal e desejo que em todos os lares exista mais união.

    Aline

    ResponderExcluir